No céu, sal, sol, mar de Maceió

Maceió é um grande centro urbano e ao mesmo tempo um recanto paradisíaco. A cidade encanta por suas belas praias, com poucas ondas e de águas quase cristalinas. Vou aqui listar alguns tópicos da minha experiência de 6 dias neste belo lugar.

Chegada:

Muitas pessoas viajam por todo o Nordeste brasileiro, passando de cidade a cidade, e neste caso chegam em Maceió via terrestre. Pra quem prefere esse tipo de viagem, é bom saber que a rodoviária da cidade é localizada num local bem hostil. Fique atento em qualquer movimentação estranha caso utilize os serviços da rodoviária.

Se a tua opção é a aérea, a desvantagem é a distância entre o aeroporto e a região central de Maceió. O trajeto de automóvel, sem trânsito, é de aproximadamente 40 a 50 minutos. Uma boa dica é contratar translados ao invés de pagar táxi, o valor médio desse serviço está na casa dos 70 reais.

Hospedagem:

Se você preza por conforto e luxo, Maceió oferece hotéis muito bons como é o caso do "hotel sete coqueiros". Porém, existem hostels e hotéis mais baratos que ficam muito próximos às principais praias da cidade. O hostel "plano B" é uma boa pedida e oferece quartos coletivos, individuais e também para casais.

Procure um hotel que fique na divisa entre Pajuçara e Ponta Verde, este é o melhor local para se locomover na cidade.

A cidade:

Como toda capital, Maceió tem seus problemas sociais e isso é claramente observado nas ruas. Esses problemas são compensados pelos bons restaurantes e opções de passeio. As feiras de artesanato e os quiosques na orla de Pajuçara ficam abertas durante todo o dia. Fiquei com a impressão de que Maceió não é uma cidade segura para passeios solitários noturnos, procure andar acompanhado.

Praia de Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca:

Essas são as três praias mais próximas dos principais hotéis da cidade.

Ponta Verde é muito bonita, mas a água é um pouco suja devido aos pedaços de corais que são carregados pelas marés até a areia  da praia. Pajuçara também é bonita, mas você pode se incomodar com os moradores de Maceió porque eles frequentam o local e talvez você não se adeque ao comportamento deles, principalmente pelo som alto que reina quase o dia todo. Jatiúca é a praia que não sofre com as sujeiras dos corais e nem com o barulho dos locais, porém é a única das três que ainda não possui uma orla para caminhar a paisana.

Uma boa dica para conhecer as três praias é alugar uma bibicleta e fazer o percurso que demora aproximadamente 1 hora.

Na praia de Pajuçara você pode contratar um jangadeiro para levá-lo até as piscinas naturais que ficam localizadas há uns 2 km mar adentro. Esse passeio vale a pena e custa apenas R$ 20,00 por pessoa.  E não esqueça de levar uma câmera fotográfica sub-aquática.

Praia do Francês, Barra do São Miguel, Praia do Gunga:

Essas praias são as indicadas para os turistas, ou seja, as empresas que operam no turismo da cidade levam os turistas para esse lugar para evitar os inconvenientes que podem ocorrer nas praias centrais. A desvantagem é a distância.

Você deverá contratar uma empresa de turismo para levar você até essas três praias. A praia do Francês é famosa, mas é uma praia normal. A barra de São Miguel é muito bonita e me arrependo muito de não ter ficado por lá no dia desse passeio. O Gunga é a última opção de praia desse passeio, essa é uma praia particular e os guias turísticos preferem que as pessoas fiquem por lá devido às maiores opções de alimentação e lazer.

Um passeio que vale a pena é descer na barra de São Miguel e fazer o percurso até o Gunga por meio de uma lancha, o valor cobrado por este percurso é de R$ 25,00 por pessoa. No meio desse percurso tem um enorme coral, preservado e com muitos peixinhos coloridos e você pode saborear um espetinho de camarão feito na hora.

Pontos positivos:

Belezas naturais, várias opções de passeios, alimentação boa e barata (Parmegiano), bons hotéis e vários locais para compra de presentes e lembrancinhas.

Pontos negativos:

A infraestrutura da cidade é muito ruim, o turismo é feito de forma amadora, muitas pessoas pedindo esmola aos turistas, os vendedores ambulantes são oportunistas perante os turistas e as empresas que vendem pacotes de passeio nem sempre cumprem o que prometem (Jaraguá Turismo).